Ordenação Dom Limacêdo

Homilia de Dom Lucena na Ordenação Episcopal 

de Dom Limacêdo Antônio da Silva

Caríssimos irmãos no Episcopado, no sacerdócio; diáconos, seminaristas, excelentíssimas autoridades constituídas, religiosos(as), consagrados(as), leigo(as), movimentos, pastorais, serviços, grupos, Obra das Vocações Sacerdotais (OVS), povo santo de Deus aqui reunido. Estimado Mons. Limacêdo! Nosso olhar se volta para sua mãe, Dona Maria José da Silva, seus irmãos, parentes, amigos; e também para o céu, pelo seu pai, o Senhor José Antônio da Silva. Amados irmãos e irmãs!

Todos nós fomos convocados a esta praça pelo desígnio providente de Deus, através do amor do Papa Francisco, que chamou ao Episcopado nosso caro Mons. Limacêdo, nazareno, nascido e vivido entre as canas e entre dores e alegrias históricas desta região.

É grande a alegria que hoje enche o nosso coração. É a alegria desta querida Igreja diocesana de Nazaré – neste ano do jubileu centenário de sua criação –, na qual o Mons. Limacêdo foi gerado, educado na fé, exerceu seu sacerdócio e, hoje, será ordenado bispo.

Estamos felizes, realizando um ato importante na vida da Igreja. Consideremos atentamente o ministério que vai ser confiado na Igreja a este nosso irmão, Mons. Limacêdo, para ser Bispo Auxiliar de Olinda e Recife.

Nosso Senhor Jesus Cristo, enviado por Deus Pai para salvar o ser humano, escolheu os apóstolos e os enviou pelo mundo, a fim de que, cheios do Espírito Santo, anunciassem o Evangelho, santificassem e conduzissem os povos nos caminhos do Evangelho. Para que esse ministério permanecesse até o fim dos tempos, os Apóstolos escolheram colaboradores, aos quais, pela imposição das mãos (que confere a plenitude do Sacramento da Ordem), comunicaram o Dom do Espírito Santo, recebido de Cristo. Assim, ao longo das gerações, este dom inicial foi sempre transmitido, pela sucessão ininterrupta dos Bispos; e a obra do Salvador se prolonga e cresce até os dias de hoje.

No Bispo, com os seus presbíteros, está presente na Igreja o próprio Jesus Cristo, Senhor e Pontífice eterno. Pelo ministério do Bispo, é Cristo que continua a proclamar o Evangelho e a distribuir aos que creem os sacramentos da fé. Pela solicitude paternal do Bispo, é Cristo que incorpora novos membros à Igreja. Pela sabedoria e prudência do Bispo, é Cristo que conduz seu povo nesta peregrinação terrena até a felicidade eterna.

Alegremo-nos, pois, e demos graças a Deus por este nosso irmão, que nós, Bispos aqui presentes, vamos associar ao colégio episcopal pela imposição das mãos. Ele será, assim, ministro de Cristo e dispensador dos mistérios de Deus, pois a ele foi confiado testemunhar a verdade do Evangelho e o ministério do Espírito da santidade.

Lembremos sempre as palavras de Cristo aos Apóstolos: "Quem vos ouve, a mim ouve; quem vos despreza, a mim despreza, e quem me despreza, despreza Aquele que me enviou". Quanto a ti, irmão caríssimo, Limacêdo, escolhido pelo Senhor, lembra-te que foste tirado dentre os homens e colocado a serviço deles nas coisas de Deus.

O Episcopado é um serviço e não uma honra. O Bispo deve distinguir-se mais pelo serviço prestado que pelas honrarias recebidas. Conforme o preceito do Senhor, aquele que é maior seja como o menor, e aquele que preside, como o que serve. Prega, portanto, a Palavra de Deus, quer agrade, quer desagrade. Admoesta com paciência e desejo de ensinar. Orando e oferecendo o sacrifício pelo povo que te foi confiado, procura haurir copiosamente da plenitude de Cristo as riquezas da graça. No serviço da Igreja, distribui com prudência e guarda fielmente os mistérios de Cristo.

Escolhido pelo Pai para dirigir sua família, lembra-te sempre do Bom Pastor, que conhece as suas ovelhas e é por elas conhecido; ele não hesitou em dar a vida pelo rebanho. Ama com amor de pai e de irmão a todos aqueles que Deus te confiou, especialmente os Presbíteros e Diáconos, teus colaboradores no serviço de Cristo; e também os pobres e doentes.

O texto do Evangelho proclamado deve ressoar em teu ouvido e em teu coração: “Não fostes vós que me escolhestes; fui eu que vos escolhi e vos designei para dardes fruto e para que o vosso fruto permaneça” (Jo 15,16). O que a Igreja e todos nós esperamos de ti é a disponibilidade total para o serviço do Evangelho, e os frutos virão, pela graça de Deus! Tudo isso expresso no seu lema episcopal: “Verbum caro factum est” – “E o Verbo se fez carne” (Jo 1,14). Desapareceram as distâncias. Deus se fez carne e habita entre nós! Para nos encontrarmos com Ele não precisamos sair do mundo, mas nos aproximarmos de Jesus.

Exorta os fiéis a colaborarem contigo na missão apostólica, e não recuses ouvi-los de boa vontade. Mostra um zelo incansável pelos

que ainda não pertencem ao rebanho de Cristo, como se fossem entregues a ti pelo próprio Cristo. Não te esqueças de que fazes parte Colégio dos Bispos no seio da Igreja inteira, unida pelo vínculo da caridade.

Vela, pois, por todo o rebanho dos fiéis a cujo serviço te coloca o Espírito Santo. Irás à Arquidiocese de Olinda e Recife, Igreja mãe desta querida Diocese de Nazaré; une-te a Dom Fernando Saburido para reger a Igreja de Deus, que está em Olinda e Recife: em nome do Pai, de quem és a imagem entre os fiéis; em nome do Filho, cuja missão de Mestre, sacerdote e pastor exerces; e em nome do Espírito Santo, que dá a vida à Igreja de Cristo e fortalece a nossa fraqueza.

Acompanhe-te neste novo e empenhativo serviço à Igreja a Virgem Maria, que nesta terra nazarena é invocada especialmente como Nossa Senhora da Conceição. Que ela te obtenha o dom da fidelidade e da perseverança, para que possas levar a cumprimento a obra que em ti o Senhor iniciou. Amém!

Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena

Bispo de Nazaré

10 de Junho de 2018

- Praça da Catedral, Nazaré da Mata (PE) -

© 2016-2018 por Cúria Diocese de Nazaré.